O devido processo legal e o (in) devido processo penal brasileiro

entre a acusatoriedade constitucional e o inquisitorial modelo do código de processo penal

  • José de Assis Santiago Neto PUC-Minas

Resumo

O Direito Processual Penal brasileiro passa por um momento de importante de atrasada, reforma. A Constituição de 1988, democrática e com estrutura acusatória, de um lado, e, de outro, um código bolorento, feito sob a ditadura Vargas e que serviu, não só ao Estado Novo, como ao regime da ditadura militar (1964-1984), forjado sob o autoritarismo não serve à democracia. Assim, buscamos estabelecer as exigências do due process of law, para tentar quebrar a inqusitoriedade presente no sistema processual penal brasileiro. Após estabelecer o conteúdo normativo do devido processo penal, estabelecemos o devido processo acusatório, através da fixação de papeis claros para cada um dos atores processuais penais e da limitação de sua atuação, sem que um possa ocupar o lugar do outro, sob pena de desvirtuar o modelo constitucional de processo e, consequentemente o próprio devido processo legal. Por fim, estabelecemos o panorama do atual processo penal brasileiro através de sua origem inquisitória e demonstramos que as inúmeras alterações pontuais não foram suficientes para alterar sua estrutura inquisitorial. Aliado a isso, analisamos alguns dispositivos do Projeto de Novo Código de Processo Penal (NCPP), para demonstrar que apesar de seu texto trazer uma aproximação com a estrutura acusatória, há ainda sérios resquícios de um modelo inqusitivo que ainda insiste em assombrar o processo penal brasileiro e que somente será afastado por uma mudança de mentalidade de todos aqueles que vivenciam o processo penal pátrio.

Biografia do Autor

José de Assis Santiago Neto, PUC-Minas

Referências

AROCA, Juan Montero. Principios del proceso penal. Valencia: Tirant ló Blanch, 1997.

BARROS, Flaviane de Magalhães. (Re)forma do Processo Penal. 2ª edição. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

CAPEZ, Fernando. Curso de processo penal. 20ª edição. São Paulo: Saraiva, 2013.

CORDERO, Franco. Guida alla procedura penale. Torino: UTET, 1986.

CORDERO, Franco. Procedimiento penal – tomo 1. Bogotá: Temis, 2000.

DALIA, Andrea Antonio. FERRAIOLI, Marzia. Manuale di diritto processuale penale. Padova: Cedam, 1997.

GONÇALVES, Aroldo Plínio. Técnica processual e teoria do processo. 2ª edição. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

MARQUES, Leonardo Augusto Marinho. A hiper-racionalidade inquisitória. BONATO, Gilson. Processo Penal, Constituição e crítica (Estudos em homenagem ao Prof. Dr. Jacinto Nelson de Miranda Coutinho). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p. 475-485.

MORAES, Maurício Zanoide de. Presunção de inocência no processo penal brasileiro: análise de sua estrutura normativa para a elaboração legislativa e para a decisão judicial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

OMMATI, José Emilio Medauar. Uma teoria dos direitos fundamentais. 3ª edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

ORTH. John. V. Due process of law: A brief history. Kansas: University Press of Kansas, 2003.

PACELLI DE OLIVEIRA, Eugênio. Processo e hermenêutica na tutela penal dos direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

POSTIGO, Leonel Gonzáles. La reforma procesal penal em latinoamérica. In Evaluación de la implementación del Sistema Penal Acusatorio em Panamá. UNODC-CEJA, 2015, diponível em www.cejaamericas.org.

SANTIAGO NETO, José de Assis. Estado democrático de direito e processo penal acusatório: a participação dos sujeitos no centro do palco processual. 2ª edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

Publicado
2017-08-01
Como Citar
SANTIAGO NETO, J. O devido processo legal e o (in) devido processo penal brasileiro. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 3, n. 01, p. 164-178, 1 ago. 2017.
Seção
Artigos