A NATUREZA COMO SUJEITO DE DIREITO NA “TEIA DA VIDA”: UMA ABORDAGEM CRÍTICA DA ADIN Nº 4.983

Bernardo Girardi Sangoi

Resumo


O presente artigo aborda a relação entre direito e natureza, considerando esta última como sujeito de direito no contexto do paradigma constitucional democrático brasileiro, à luz de uma recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que declarou, em sede da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) nº 4.983, a inconstitucionalidade de lei estadual que regulamentava a prática de vaquejada. Para tanto, o método de abordagem empregado foi o sistêmico, aliado ao método de procedimento monográfico, tendo sido utilizadas as técnicas de pesquisa bibliográfica (revisão de literatura) e documental, juntamente com a análise da jurisprudência selecionada. Com isso, objetiva-se averiguar a relação que permeia o direito e a natureza na atualidade brasileira, a partir de uma perspectiva crítica do caso concreto decidido pelo STF. Neste sentido, o trabalho encontra justificativa na necessidade de mudança paradigmática frente ao cenário de crise ecológica, e também na imperatividade de se considerar a natureza como sujeito de direito, e não mais como objeto.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADIN nº 4.983. Relator: Ministro Marco Aurélio. Brasília, DF, 06 de outubro de 2016. Brasília, 24 abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2017.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 1995.

DUSSEL, Enrique. Meditações anti-cartesianas sobre a origem do anti-discurso filosófico da modernidade. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do sul. Coimbra: Almedina, 2009.

HERMITTE, Marie Angèle. Os fundamentos jurídicos da sociedade do risco: uma análise de U. Beck. In: VARELLA, Marcelo Dias (org.). Governo dos riscos. Brasília: Rede latino-americana-europeia sobre governo dos riscos, 2005.

INQUE, Cristina YumieAoki. Regime global de biodiversidade: o caso Mamirauá. Brasíla: Universidade de Brasília, 2007.

JUNGES, José Roque. (Bio)ética ambiental. São Leopoldo: Unisinos, 2010.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução: Eloá Jacobina. 18 ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

MOSCOVICI, Serge. Natureza: para pensar a ecologia. Tradução de Marie Louise Trindade Conih de Beyssac e Regina Mathieu. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Quando o conhecimento tecnocientífico se torna predação hight-tech: recursos genéticos e conhecimento tradicional no Brasil. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Semear outras soluções:os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Gaia, 2003.

STRECK, LenioLuis. Hermenêutica jurídica e(m)crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 11. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.




DOI: https://doi.org/10.29293/rdfg.v4i2.169

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista de Direito da Faculdade Guanambi

ISSN 2447-6536

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Indexada em:

Google Scholar | DOAJ  | Sumários.org | Academia.edu | Diadorim  | Scilit | Crossref | Livre! | DRJI | ResearchBib | Sherpra Romeo | Facebook | MIAR |