Sociedade de consumo e produção industrial em massa

influências na sustentabilidade ambiental

  • Murilo Martins Camelo Faculdade Guanambi - FG. Universidade do Estado da Bahia - UNEB.

Resumo

As várias mudanças ocasionadas pela Revolução Industrial e intensificadas pela globalização trouxeram o consumo não apenas como meio para acesso a uma diversidade crescente de produtos, mas também, especialmente, como hábito estimulado para satisfazer desejos e necessidades supérfluas, quase como um dever de cidadania. O crescente e descontrolado ritmo de produção, para o abastecimento deste mercado, aliado ao consumo irracional promoveu a degradação do meio ambiente em níveis exorbitantes. Considerando que o meio ambiente sadio e ecologicamente equilibrado é um direito fundamental ainda a ser concretizado, deve-se buscar uma adequação mais racional para controle das conseqüências negativas à sustentabilidade ambiental, através da construção de um senso de educação com o meio ambiente, como forma para se alcançar um modelo sustentável de desenvolvimento, formando consumidores conscientes e responsáveis pelo seu papel na sociedade.

Referências

AGUIAR JÚNIOR, Ruy Rosado de. A boa-fé na relação de consumo. Revista de Direito do Consumidor n.º 14. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, abril/junho. 1995.

ALEXY, Robert. Teoría de los derechos fundamentales (tradução: Carlos Bernal Pulido). 2. ed. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2007.

AMARAL JÚNIOR, Alberto do. As condições abusivas na concessão de crédito bancário. Revista de Direito do Consumidor n.º 40. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, outubro/dezembro, 2001.

AMARANTE, Maria Cecília Nunes. Justiça ou eqüidade nas relações de consumo. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 1998.

BARCELLOS, Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais – o princípio da dignidade da pessoa humana. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

BARROSO, Luis Roberto. A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

__________. A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar na pós-modernidade (tradução: Mauro Gama e Cláudia Martilnelli Gama). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

__________. Vida à crédito (tradução: Alexandre Wernek). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

__________. Capitalismo Parasitário (tradução: Eliana Aguiar). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

__________. Vidas Desperdiçadas (tradução: Carlos Alberto Medeiros). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

__________. Globalização as Conseqüências Humanas (tradução: Alexandre Wernek). Rio de Janeiro: 2010.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito (tradução: Márcio Pugliesi). São Paulo: Ícone, 2006.

CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional. 6. ed. revista. Coimbra: Almedina, 1993.

____________. Constituição dirigente e vinculação do legislador – contributo para compreensão das normas programáticas. Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

____________. Direito Constitucional e teoria da Constituição. 6. Ed. Coimbra: Almedina, 2002.

CEZAR, Fernanda Moreira. O consumidor superendividado: por uma tutela jurídica à luz do direito civil-constitucional. Revista de Direito do Consumidor n.º 63. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, julho-setembro 2007.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FACHI, Luiz Edson (Coord.). Repensando fundamentos do direito civil contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

FARIAS, Cristiano Chaves de. A proteção do consumidor na era da globalização. Revista de Direito do Consumidor n.º 41. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, janeiro/março. 2002.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo (tradução: Julio Assis Simões). São Paulo: Studio Nobel, 2001.

FLORES, Nilton Cesar. A sustentabilidade ambiental em suas múltiplas faces. Autor e organizador: Nilton Cesar Flores. Campinas, SP: Millennium Editora, 2012.

FRADE, Catarina, MAGALHÃES, Sara. Sobreendividamento, a outra face do crédito. In: MARQUES, Claudia Lima, CAVALLAZZI, Rosângela Lunardelli (Coord.). Direitos do consumidor superendividado – superendividamento e crédito. São Paulo: RT, 2006.

GIANCOLI, Brunno Pandori. O superendividamento do consumidor como hipótese de revisão dos contratos de crédito. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2008.

HESSE, Konrad. Elementos de direito constitucional da República Federal da Alemanha, 330.

____________. A força normativa da constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991.

LÔBO, Paulo Luiz Neto. A informação como direito fundamental do consumidor. Revista de Direito do Consumidor n.º 37. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, janeiro/março. 2001.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Crédito ao consumidor e superendividamento – uma problemática geral. Revista de Direito do Consumidor n.º 17. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, janeiro/março. 1996.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Do contrato social: princípios do direito político. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais. Livraria do Advogado: Porto Alegre, 2004.

SODRÉ, Marcelo Gomes. Formação do Sistema nacional de defesa do consumidor. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

Publicado
2015-10-14
Como Citar
CAMELO, M. Sociedade de consumo e produção industrial em massa. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 1, n. 01, p. 42-49, 14 out. 2015.
Seção
Artigos