A “QUEBRA” DE 1933 NA TEORIA DE CARL SCHMITT

Ingeborg Maus

Resumo


Resumo: Uma interpretação da teoria de Carl Schmitt, que assumiu uma completa reviravolta de suas intenções, depois de 1933, ganhou relevância, contudo de demonstra equivocada. A tentativa de interpretar a teoria de Schmitt como uma sequência de descontinuidades abruptas revela uma falha na percepção da continuidade no desenvolvimento social real antes e depois de 1933.A diferença potencial entre a autocompreensão do autor e a intenção objetiva de seu trabalho dificilmente é reconhecida no reducionismo biográfico, de modo que se acredita que seja possível encontrar a “chave” para o trabalho de Schmitt em seus registros diários, suas declarações empáticas ao catolicismo e suas opiniões sobre a política. Desta maneira, a teoria de Schmitt é, ou reduzida a uma opinião baseada em teologia política, ou entendida como um buraco em termos de sua relação com o Nacional Socialismo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29293/rdfg.v4i2.179

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista de Direito da Faculdade Guanambi

ISSN 2447-6536

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Indexada em:

Google Scholar | DOAJ  | Sumários.org | Academia.edu | Diadorim  | Scilit | Crossref | Livre! | DRJI | ResearchBib | Sherpra Romeo | Facebook | MIAR |