O PAPEL DE HEIDEGGER NA TRANSFORMAÇÃO DOS SENTIDOS DA HERMENÊUTICA ONTOLÓGICA DO SÉCULO XX

Resumo

O presente estudo tem por objetivotratar do papel transformador de Heidegger nas significativas mudanças ocorridas no âmbito da Filosofia e da Hermenêutica no século XX. Essas transformações referem-se à superação do esquema sujeito-objeto através do giro linguístico, que estabelece um vínculo absoluto entre o pensamento e a linguagem, e à criação de uma ontologia fundamental, que passa pela revisão da forma de desenvolvimento da filosofia e opera uma destruição da tradição metafísica na busca de recolocar a questão do ser no centro das discussões filosóficas. A pesquisa se desenvolve por meio de investigação bibliográfica e objetiva abordar a nova visão estabelecida por Heidegger, que dá novo sentido ao método proposto por Schleiermacher e modifica o paradigma até então vigente, terminando por inserir a hermenêutica no plano da faticidade do Dasein (Ser-aí), isto é, na concretude da vida humana. Como ponto hipotético central, traz-se que essa inserção – que visa estabelecer uma maneira de se compreender o ser e comunicar o Dasein – altera sensivelmente os rumos da hermenêutica e da filosofia na medida em que retoma o ponto filosófico fundamental desde os escritos aristotélicos.

Biografia do Autor

Flávio Quinaud Pedron, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Doutor e Mestre em Direito pela UFMG.
Professor Adjunto do Mestrado em Direito e da Graduação da Faculdade Guanambi (Bahia). Professor Adjunto da PUC-Minas (Graduação e Pós-graduação). Professor Adjunto do IBMEC. Editor-Chefe da Revista de Direito da Faculdade Guanambi.
Membro da Associação Brasileira de Direito Processual Constitucional (ABDPC).
Membro da Associação Brasileira de Direito Processual (ABDPro).
Membro da Rede Brasileira de Direito e Literatura (RDL).
Advogado.

João Paulo Soares e Silva, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Mestre em Direito pela UniFG. Especialista em Direito Público. Membro associado da Rede Brasileira de Direito e Literatura (RDL). Membro  do CAJU – Centro de Estudos sobre Acesso à Justiça. Professor do curso de Direito da UniFG.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ABBOUD, Georges; CARNIO, Henrique Garbellini; TOMAZ DE OLIVEIRA, Rafael. Introdução à teoria e à filosofia do direito. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2015.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 1987.

BRENTANO, F. Aristote. Les significations de l’être. Trad. Pascal David. Paris: J. Vrin, 1992.

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: lições de Filosofia do Direito. Trad. Márcio Pubgliesi. São Paulo: Ícone, 1995.

CORETH, Emerich. Questões fundamentais de hermenêutica. Trad. Carlos Lopes de Matos. São Paulo: EPU/Edusp, 1973.

D’AGOSTINI, Franca. Analíticos e Continentais: guia à filosofia dos últimos trinta anos. Trad. Benno Dischinger. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

DILTHEY, Wilhelm. Introdução às Ciências Humanas. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DILTHEY, Wilhelm. Hermeneutics and the Study of History. Trad. Rudolf Makkreel e Frithoj Rodi. v. 4. Princeton: Princeton University Press, 1996.

FRAGATA, J. A fenomenologia de Husserl como fundamento da filosofia. Braga: Livraria Cruz, 1959.

GADAMER, Hans-Georg. Hermenêutica em retrospectiva. Tradução Marco Antônio Casanova. Petrópolis: Vozes, 2007.

GADAMER, Hans-Georg.Verdade e método; tradução de Flávio Paulo Meurer; revisão da tradução de Enio Paulo Giachini. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

GADAMER, Hans-Georg. FRUCHON, Pierre, (org.). O problema da consciência histórica. 2. ed. Trad. Paulo César Duque Estrada. Rio de janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

GADAMER, Hans-Georg.Verdade e Método II: complementos e índice. Trad. Ênio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

GRONDIN, Jean. Introdução à Hermenêutica Filosófica. Trad. Benno Dischinger. São Leopoldo: Unisinos, 1999.

HEIDEGGER, Martin. O meu caminho na fenomenologia. Trad. Ana Falcato. Covilhã: Lusofia.press, 2009.

HEIDEGGER, Martin. Ontologia – Hermenêutica da Faticidade. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback, Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Ser y Tiempo. Editorial Trotta. Tradução de Jorge Eduardo Rivera Cruchaga. Chile. 2003.

INWOOD, Michael. Dicionário Heidegger. Tradução de Luísa Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

INWOOD, Michael. Heidegger. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Loyola, 2004.

KUSH, Martin. Linguagem como cálculo versus linguagem como meio universal: um estudo sobre Husserl, Heidegger e Gadamer. Trad. Dankwart Bernsmüller. São Leopoldo: UNISINOS, 2001.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Reviravolta lingüístico-pragmática na filosofia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001. 427p.

PALMER, Richard. Hermenêutica. Trad. Maria Luísa Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 1986.

REIS, José Carlos. Wilhelm Dilthey e a autonomia das ciências histórico-sociais. Londrina: Eduel, 2003.

SANTOS, Washington dos. Dicionário jurídico brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. 6. ed. Trad. Celso Reni Braida. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2008.

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Hermenêutica e Crítica. Trad. Aloísio Ruedell. Ijuí: UNIJUI, 2005. v. 1.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise. Uma exploração hermenêutica da construção do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e decisão jurídica. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

STRECK, Lenio Luiz. O que é isto – decido conforme minha consciência? Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

STEIN, Ernildo. Seminário sobre a verdade: lições preliminares sobre o artigo 44 de Seinund Zeit. Petrópolis, RJ : Vozes, 1993.

STEIN, Ernildo. Seis estudos sobre ser e tempo. 4º ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

STEIN, Ernildo. Diferença e Metafísica. Ensaios sobre a desconstrução. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

STEIN, Ernildo. Pensar é Pensar a Diferença. Ijuí: Unijuí, 2002.

STEIN, Ernildo. Seis estudos sobre "Ser e tempo". Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

TOMAZ DE OLIVEIRA, Rafael. Decisão Judicial e o conceito de princípio: a hermenêutica e a (in)determinação do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2008.

WERLE, Marco Aurélio. A angústia, o nada e a morte em Heidegger. Trans/Form/Ação, Marília, v. 26, n. 1, p. 97-113, 2003.

Publicado
2018-07-31
Como Citar
Pedron, F., & Silva, J. P. (2018). O PAPEL DE HEIDEGGER NA TRANSFORMAÇÃO DOS SENTIDOS DA HERMENÊUTICA ONTOLÓGICA DO SÉCULO XX. Revista De Direito Da Faculdade Guanambi, 5(01), 50-73. https://doi.org/10.29293/rdfg.v5i01.214
Seção
Artigos