CRISES DA MODERNIDADE E ORGANIZAÇÃO TÉCNICA DO TRABALHO, DO CONSUMO E DA CIDADE

Resumo

O tema do artigo é o fundamento da modernidade e seu projeto civilizatório expandido ao mundo pela colonização e pela globalização. O objetivo central é analisar como o fundamento moderno fundou um modelo de civilização por meio de revoluções e como entrou em crise. Por que as crises do fundamento moderno e de seu projeto civilizatório estão sendo interpretadas apenas no sentido neoliberal reformista? Não há outros caminhos? O desafio de nossa época é interpretar a crise do fundamento moderno denunciando sua lógica unitária, universal e normativa e propor alternativas inclusivas. O referencial teórico é a hermenêutica filosófica e a metodologia é a fenomenologia hermenêutica. A principal conclusão é a de que o projeto moderno desembocou numa civilização técnica, na qual organiza tecnicamente (toyotismo) o trabalho, o consumo e a cidade, esquecendo de suas outras promessas de liberdade e de felicidade. Todas as reformas neoliberais trabalhistas, previdenciárias, da saúde, consumeristas e urbanas indicam o predomínio da civilização técnica.

Biografia do Autor

Fabrício Carlos Zanin, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Tocantinópolis, TO, Brasil.

Graduação em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS-2004) e mestrado em Filosofia do Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS-2007). Especialização Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná (CEULJI/ULBRA - 2009). Atualmente é professor efetivo da Universidade Federal do Tocantins (UFT), no Curso de Direito do Campus de Tocantinópolis-TO.

Fábio César Costa Júnior, Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS), Palmas, TO, Brasil.

Graduando em Direito pela UNITINS. Membro do Grupo de Pesquisa “Direito e Arte”na UNITINS.

Matheus Ferreira Pacheco, Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS), Palmas, TO, Brasil.

Graduando em Direito pela UNITINS. Membro do Grupo de Pesquisa “Direito e Arte”na UNITINS.

Vico Barbosa Cosson, Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS), Palmas, TO, Brasil.

Graduando em Direito pela UNITINS. Membro do Grupo de Pesquisa “Direito e Arte”na UNITINS.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: UFMG, 2004a.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004b.

ALMEIDA, Alberto Carlos. A cabeça do brasileiro. 5.ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

ANDERSON, Perry. O fim da história: de Hegel a Fukuyama. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2006a.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da educação. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2006b.

AUGE, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo: Papirus, 1994.

BARRETTO, Vicente de Paulo. O fetiche dos direitos humanos e outros temas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

CHEVALLIER, Jacques. O estado pós-moderno. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

DEMO, Pedro. Fundamento sem fundo: ensaio sociológico/metodológico sobre a relatividade das coisas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou (a seguir). São Paulo: UNESP, 2002.

DOUZINAS, Costas. O fim dos direitos humanos. São Leopoldo: UNISINOS, 2009.

DUSSEL, Enrique. 1942, o enconbrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

FERRARI, Terezinha. Fabricalização da cidade e ideologia da circulação. 2.ed. São Paulo: Outras Expressões, 2012.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2015.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

HABERLE, Peter. Estado constitucional cooperativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HASSEMER, Winfried; KAUFMANN, Arthur. Introdução à filosofia do direito e à teoria do direito contemporâneas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

HEIDEGGER, Martin. Ser y tiempo. Madrid: Trotta, 2003.

HEIDEGGER, Martin. Conferências e escritos filosóficos. 4.ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Coleção Os Pensadores).

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

JUVIN, Hervé; LIPOVETSKY, Gilles. A globalização ocidental: controvérsia sobre a cultura planetária. São Paulo: Manole, 2012.

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2003.

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

LOSANO, Mario. Sistema e estrutura no direito. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MACCUMBER, John. Metaphysics and opression: Heidegger’s challenge to western philosophy. Blomington: Indiana Press University, 1999.

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. 4.ed. São Paulo: Edipro, 2015.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. 27.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

MERQUIOR, José Guilherme. O liberalismo: antigo e moderno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

MORAIS, José Luiz Bolzan de. A subjetividade do tempo: uma perspectiva transdisciplinar do direito e da democracia. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998.

NALLINI, José Renato. Ética geral e profissional. 12.ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

NEGRI, Antonio. O poder constituinte: ensaio sobre as alternativas da modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

PASTORINI, Alejandra. A categoria questão social em debate. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PINTO, Geraldo Augusto. Organização do trabalho no século XX: taylorismo, fordismo e toyotismo. 3.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. Historia del pensamiento filosófico y científico. 2.ed. Barcelona: Herder, 1995.

ROUANET, Luiz Paulo; BASSI, Adriana Rouanet; SILVA NETO, Wilson Levy Braga da. Rouanet 80 anos: democracia, modernidade, psicanálise e literatura. São Paulo: É Realizações, 2016

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Ética. 33.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais. 9.ed. Poto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

SIDEKUN, Antonio. Direitos Fundamentais e a dignidade humana. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2011.

SIMONDON, Gilbert. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier, 2001.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. 3.ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência política e teoria do estado. 8.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.

STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e hermenêutica: uma nova crítica do direito. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

STRECK, Lenio Luiz. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

VATTIMO, Gianni. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas Canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia e outros escritos. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

WOLKMER, Antonio Carlos. Síntese de uma história das idéias jurídicas: da antigüidade à modernidade. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006.

ZANIN, Fabrício Carlos; POLICARPO, Douglas. Direitos humanos como fundamento de uma cultura de paz, cidadania e justiça: desafios brasileiros entre modernidade e pós-modernidade. In: SALATINI, Rafael; PAZÓ, Cristina Grobério; POLICARPO, Douglas (Orgs.). Justiça e cidadania: reflexões sobre o campo normativo moderno. Dourados: UFGD, 2014, p.79-114.

ZANIN, Fabrício Carlos. As teorias do desenvolvimento, o modelo de desenvolvimento de Rondônia e a mudança da matriz curricular do curso de direito do CEULJI/ULBRA: análise interdisciplinar. In: MARISCO, Francele Moreira; LIMA, Teófilo Lourenço (Orgs.). Direitos fundamentais em Rondônia. Canoas: Ulbra, 2013, p.33-59.

ZANIN, Fabrício Carlos. Crise da razão moderna: linguagem em Heidegger, Hobbes e Agamben. Saarbruken: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

ZARKA, Yves Charles. La decision métaphysique de Hobbes: conditions de la politique. Paris: J. Vrin, 1987.

Publicado
2018-07-31
Como Citar
Zanin, F., Costa Júnior, F., Pacheco, M., & Cosson, V. (2018). CRISES DA MODERNIDADE E ORGANIZAÇÃO TÉCNICA DO TRABALHO, DO CONSUMO E DA CIDADE. Revista De Direito Da Faculdade Guanambi, 5(01), 201-225. https://doi.org/10.29293/rdfg.v5i01.224
Seção
Artigos