Teoria e prática no ensino jurídico

diálogo entre decolonidade do saber e pedagogia da libertação de Paulo Freire e Bell Hooks

Palavras-chave: Ensino Jurídico. Decolonialidade do saber. Pedagogia da Libertação. Teoria e Prática no Direito.

Resumo

O presente artigo visa investigar, mediante a vertente jurídico-sociológica, se a dissociação entre a teoria e a prática no curso de Direito apresenta-secomo decorrência da colonialidade do saber, conceito central nos estudos decoloniais. Para tanto, pretende-se apresentar a pedagogia da educação como prática da liberdade engendrada pelo educador e jurista brasileiro Paulo Freire, que é também trabalhada sob a ótica interseccional pela intelectual negra bellhooks, efetivando-se o método de decolonialidade do saber na contemporaneidade, capaz de mitigar o tão discutido hiato entre teoria e prática no ensino jurídico. O cerne desta proposta pedagógica é romper com a dicotomia teoria-prática, mediante um saber-práxis que se construa a partir da realidade vivenciada pelo aluno ou aluna, que passa a se compreendercomo ser histórico social capaz de entender criticamente a realidade na qual está inserido, para, assim, transformá-la.

Biografia do Autor

Flávia Souza Máximo Pereira, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Doutora em Direito do Trabalho pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em cotutela com a Università degli Studi di Roma Tor Vergata. Professora substituta de Direito Previdenciário e Direito Processual do Trabalho da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). 

Flávia Coelho Augusto Silva, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Especialista em Direito Empresarial pela FGV. Graduada em Direito pela UFOP. Professora Substituta de Direito Civil e Empresarial no curso de Direito da UFOP. Advogada.

Referências

BILGE, Sirma. Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, Paris, v. 1, n. 225, p. 70-88, 2009. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-diogene-2009-1-page-70.html#. Acesso em: 28 nov. 2018.

COSTA, Sérgio. Desprovincializando a Sociologia: a contribuição pós-colonial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Campinas, v. 21, n. 60, p. 117-134, fev. 2006. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092006000100007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092006000100007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 28 nov. 2018.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1965.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 80, p. 115-147, mar. 2008. Doi: https://doi.org/10.4000/rccs.697. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/697. Acesso em: 28 nov. 2018.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca Dias. (Re) Pensando a

Pesquisa Jurídica: Teoria e Prática. Belo Horizonte: Del Rey, 2013.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HOOKS, Bell. Intelectuais negras. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, jul./dez. 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465. Acesso em: 28 nov. 2018.

LIMA, José Gllauco Smith Avelino de; PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida. Horizontes pós-coloniais da Pedagogia do Oprimido e suas contribuições para os estudos curriculares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, p. 1-24, 2018. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782018230063. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-24782018000100250&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 28 nov. 2018.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de lamodernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Eduardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

PENNA, Camila. Paulo Freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós-colonial latinoamericana. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, [S.l.], v.8, n. 2, p. 181-199, 2014. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/repam/article/download/16133/14421/. Acesso em: 28 nov. 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Do pós-moderno ao pós-colonial: para além de um e outro. Travessias: Revista de Ciências Sociais Humanas em Língua Portuguesa. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as Ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Coimbra: Estudos Avançados, 1988.

VENTURI, Eliseu Rafael. Teoria e prática como (mais uma) dicotomia jurídica. Justificando, 22 de junho de 2017. Disponível em: http://www.justificando.com/2017/06/22/teoria-e-pratica-como-mais-uma-dicotomia-juridica/. Acesso em: 28 nov. 2018.

Publicado
2019-05-02
Como Citar
PEREIRA, F.; SILVA, F. Teoria e prática no ensino jurídico. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 6, n. 01, p. e236, 2 maio 2019.
Seção
Artigos