O ENSINO JURÍDICO NO BRASIL E O SENSO COMUM TEÓRICO DOS JURISTAS

UM “OLHAR” A PARTIR DE WARAT

Palavras-chave: Ensino jurídico. Senso comum teórico. Interpretação jurídica. Carnavalização. Warat.

Resumo

Este ensaio tem como objeto a formação do jurista no contexto contemporâneo brasileiro, com atenção especial à busca de alternativas para um cenário de crise no ensino jurídico neste trintagenário da Constituição Federal. Por certo, trata-se de um contexto multifacetado, marcado por grandes desafios decorrentes não só na complexidade e complexificação social e pela emergência de novos direitos, mas sobretudo pelo acirramento da crise da jurisdição no século XXI, enquanto sucedâneo da própria crise do Estado e do problema da interpretação jurídica e da decisão judicial em tempos pós-positivistas. A proposta deste breve artigo, redigido na forma de breve ensaio, parte da premissa do esgotamento do modelo tradicional de ensino do direito, bem como do diagnóstico waratiano acerca do senso comum teórico do jurista. Para tanto, buscando não desatender exigências metodológicas mínimas, as reflexões partem da obra waratiana, adotando uma abordagem fenomenológica, sustentada em pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, para descrever uma realidade construída socialmente com vistas a questionar seus fundamentos. Ao final, será apresentada a proposta da carnavalização do ensino do direito, como forma de superar o esgotamento do modelo tradicional hoje alicerçado sobre o senso comum teórico do jurista.

Biografia do Autor

Angela Araujo da Silveira Espindola, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Doutora e Mestre em Direito (UNISINOS). Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário de Guanambi (UNIFG/BA) e Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS). Membro Fundadora e Vice-Presidente da Rede Brasileira Direito e Literatura (RDL)

Luana da Silva Seeger, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil.

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Direito da UFSM. Bacharel em Direito pela Universidade Franciscana (UFN/RS). 

Referências

AGUIAR, R. A. . R. DE. A crise da advocacia no Brasil: diagnóstico e perspectivas. São Paulo, SP: Alfa Omega, 1999.

BAKHTIN, M. M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo, SP: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 3 ed. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2003.

BAPTISTA DA SILVA, O. A. Processo e ideologia. Rio de Janeiro, RJ: Forense, 2004.

BASTOS, A. W. O ensino jurídico no Brasil. Belo Horizonte, MG: Lumen Juris, 2000.

BOLZAN DE MORAIS, J. L. As crises do Estado e da Constituição e a transformação espaço-temporal dos direitos humanos. Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado, 2018.

BOLZAN DE MORAIS, J. L.; ESPINDOLA, A. A. DA S. O Estado e seus limites: reflexões em torno dos 20 anos da Constituição brasileira de 1988. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica. Porto Alegre, v. 1, n. 6, p. 207–238, 2008.

CARVALHO, J. M. A construção da ordem: teatro das sombras. 3. ed. ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2008.

CAVALLAZZI, R. L.; ASSIS, V. A. DE. A carnavalização do direito: um convite metafórico aos cúmplices de waratianos. Revista Brasileira de Filosofia do Direito, v. 3, n. 1, p. 1–17, 1 jun. 2017.

CHOMSKY, A. História da revolução cubana. São Paulo, SP: Veneta, 2015.

COTRIM, G.; PARISI, M. Fundamentos da educação: história e filosofia da educação. São Paulo, SP: Saraiva, 1979.

DANTAS, S. T. A educação jurídica e a crise brasileira. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 159, p. 449–459., 1955.

ESPINDOLA, A. A. DA S. Entre a insustentabilidade e a futilidade: a jurisdição, o direito e o imaginário social sobre o juiz. Anamorphosis. Revista Internacional de Direito e Literatura, v. 2, n. 2, p. 293–320, 31 jan. 2016.

ESPINDOLA, A. A. DA S. E. A teoria da decisão e o homem que confundiu a mulher com um chapéu. Anamorphosis. Revista Internacional de Direito e Literatura, v. 4, n. 2, p. 595–614, 2018.

ESPINDOLA, A. A. DA S.; FANTONELLI, M. DOS S. A carnavalização do direito como chave de uma das portas de saída da casa verde. Revista Jurídica Unicuritiba, v. 02, n. 47, p. 468–480, 2017.

ESPINDOLA, A. A. DA S.; SANGOI, B. G. O senso comum teórico do jurista e a arte de reduzir cabeças: em busca de um aporte metodológico para o ensino jurídico. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 3, n. 01, p. 37, 1 ago. 2016.

ESPINDOLA, A. A. DA S.; SILVA, F. DOS S. R. Precedentes no CPC/2015: os perigos do senso comum teórico dos juristas em tradições de civil law e a importância da aplicação do artigo 489. Revista do Mestrado em Direito da Universidade Católica de Brasília, v. 11, n. 2, p. 132–156, 2017.

FAORO, R. A aventura liberal numa ordem patrimonialista. Revista USP, v. 17, p. 14–29, 1993.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Educação “bancária” e educação libertadora. In: Introdução à psicologia escolar. V. 3. [s.l: s.n.]. p. 61–78.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 2013.

HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. Lisboa: Editora 70, 2001.

LIMA, A. B. M. (ORG). Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty. Ilhéus, BA: Editus, 2014.

LIMA LOPES, J. R. DE. O direito na história: lições introdutórias. São Paulo, SP: Editora Atlas S. A., 2000.

MACIEL, L. V. DE C. Diferenças entre dialogismo e polifonia Differences between dialogism and polyphony Introdução. Revista de Estudos da Linguagem, v. 24, n. 2, p. 580–601, 2016.

MARTINEZ, S. R. A evolução do ensino jurídico no Brasil. Ciências Sociais em Perspectiva, v. 04, n. 06, p. 83–96, 2005.

MASINI, E. F. S. Enfoque fenomenológico de pesquisa em educação. In: FAZENDA, I. (Ed.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo, SP: Cortez, 1989.

MELO FILHO, A. Por uma revolução no ensino jurídico. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 322, n. 89, p. 9–15, 1993.

MENEZES, E. T. DE. Verbete pedagogia tradicional. Midiamix, , 2001. (Nota técnica).

PEDRON, F. B. Q. Apontamentos sobre a interpretação construtiva do direito em Ronald Dworkin: um estudo a partir do julgamento da ADPF 132. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 2, n. 01, p. 157, 12 ago. 2016.

ROCHA, L. S. A aula mágica de Luis Alberto Warat. In: Constituição, sistemas sociais e hermenêutica: anuário do programa de pós-graduação em Direito da Unisinos. Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado, 2012.

RODRIGUES, H. W. Ensino jurídico e direito alternativo. São Paulo, SP: Acadêmica, 1993.

RODRIGUES, H. W. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Direito: análise da Minuta de Resolução apresentada pelo CNE como texto referência para a Audiência Pública de julho de 2018. In: Horácio Wanderlei Rodrigues; José Renato Cella; Jaqueline Mielke Silva. (Org.). Direito, Democracia e Sustentabilidade. Erechim, RS: Deviant, 2018. p. 25–59.

SANTOS, B. DE S. Para uma Revolução Democrática da Justiça. 2 ed. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2008.

SCHAEFER, S. Dialogismo, polifonia e carnavalização em Dostoiévski. In: Backtiniana. Revista de estudos do discurso. São Paulo, SP: [s.n.]. v. 6p. 194–209.

SIQUEIRA, M. D. Faculdade de Direito, 1912-2000. Curitiba, PR: UFPR, 2000.

STRECK, L. L. Hermeneutica Juridica e(m) crise. Porto Alegre: Revisto do Advogado. 1999.

STRECK, L. L. Hermenêutica e ensino jurídico em terrae brasilis. Revista da Faculdade de Direito UFPR, v. 46, 2007.

STRECK, L. L. Lições de Crítica Hermenêutica do Direito. Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado, 2014a.

STRECK, L. L. Senso comum. Direito & Literatura. TV Justiça, 2014b.

STRECK, L. L. Em tempos de carnavalização, vale lembrar o maior folião epistêmico: Warat - Empório do Direito. Empório do Direito, 2015.

STRECK, L. L. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas: da possibilidade à necessidade de respostas corretas em direito. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

STRECK, L. L. E a senhora Constituição, 30 anos, foi confundida com um chapéu? Conjur. Consultor Jurídico, 4 out. 2018.

STRECK, L. L.; BOLZAN DE MORAIS, J. L. Ciência política e teoria geral do estado. Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado, 2014.

TRINDADE, A. K.; GUBERT, R. M. Direito e Literatura: aproximações e perspectivas para se repensar o direito. In: Direito & Literatura: reflexões teóricas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. p. 11–66.

TRINDADE, A. K.; KARAM, H. Polifonia e Verdade nas Narrativas Processuais. Sequência (Florianópolis), n. 80, p. 51–74, 2018.

VENâNCIO FILHO, A. Das arcadas ao bacharelismo. 2 ed. ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 1982.

WARAT, L. A. Saber crítico e senso comum teórico dos juristas. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, v. 3, n. 5, p. 48–57, 1982.

WARAT, L. A. Introdução geral ao direito: interpretação da lei: temas para uma reformulação. Porto Alegre, RS: Sérgio Antonio Fabris, 1994.

WARAT, L. A. Introdução geral ao direito: epistemologia jurídica da modernidade. Porto Alegre, RS: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1995.

WARAT, L. A. A ciência jurídica e seus dois maridos. 2. ed. ed. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2000.

WARAT, L. A. Epistemologia e ensino do direito: o sonho acabou. Volume II. Florianópolis, SC: Fundação Boiteux, 2004.

WARAT, L. A. A Rua Grita Dionísio. Direitos humanos da Alteridade, Surrealismo e Cartografia. Belo Horizonte, MG: Lumen Juris, 2010.

WARAT, L. A.; CUNHA, R. M. C. DA. Ensino e saber jurídico. Rio de Janeiro, RJ: Eldorado, 1977.

WARAT, L. A.; ROCHA, L. S.; CITTADINO, G. O poder do discurso docente das escolas de direito. Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, v. 2, n. 2, p. 146–152, 1981.

WOLKMER, A. C. História do Direito no Brasil. 2 ed. ed. Rio de Janeiro, RJ: Forense, 1999.

Publicado
2019-03-04
Como Citar
ESPINDOLA, A.; SEEGER, L. O ENSINO JURÍDICO NO BRASIL E O SENSO COMUM TEÓRICO DOS JURISTAS. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 5, n. 02, p. 92-120, 4 mar. 2019.
Seção
Artigos