DA (I)LEGITIMIDADE DO PROCESSO DE IMPEACHMENT NO PRESIDENCIALISMO BRASILEIRO

UMA ANÁLISE A PARTIR DO PRECEDENTE COLLOR –TERÍAMOS APRENDIDO ALGO COM O PASSADO?

Palavras-chave: Impeachment. Presidencialismo brasileiro. Engenharia Constitucional. Ilegitimidade. Precedente Collor.

Resumo

As reflexões aqui tracejadas se debruçam sobre a ilegitimidade do processo de impeachment no presidencialismo brasileiro a partir do processo de destituição do Presidente Fernando Collor de Melo em 1992. Sob a ótica da teoria da legitimidade como conflito concreto do direito positivo proposta por Friedrich Müller, o artigo tem como cerne a seguinte hipótese de trabalho: o processo de destituição presidencial como estabelecido hoje no presidencialismo brasileiro não concretiza o texto da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, dada sua regulamentação em lei predecessora que tivera análise de filtragem constitucional inadequada duas vezes pelo Supremo Tribunal Federal durante a atual República. O estudo estrutura-se em três bases: a forma como está estruturado o impeachment no presidencialismo brasileiro; a teoria da legitimidade como conflito concreto no direito positivo; e a verificação da (i)legitimidade do processo de destituição presidencial na engenharia constitucional brasileira a partir do precedente Collor. Identifica-se uma grave brecha na concepção estrutural dos poderes da República e, sobretudo, do regime democrático, ao se permitir que um processo parcamente regulamentado enseje o manejo de impeachments ilegítimos contra governantes democraticamente eleitos, violando a supremacia constitucional brasileira.

Biografia do Autor

Adwaldo Lins Peixoto Neto, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Mestre em Direito pelo Centro Universitário FG (UniFG). Bacharel em Direito pela Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR). Professor de Direito Constitucional e Direito Administrativo da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR) .

Referências

ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de Coalizão: raízes e evolução do modelo político brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes; BACHA E SILVA, Diogo; CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. O impeachment e o Supremo Tribunal Federal: história e teoria constitucional brasileira. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes; BACHA E SILVA, Diogo; CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. O impeachment e o Supremo Tribunal Federal: história e teoria constitucional brasileira. 2. ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Mandado de Segurança (questão de ordem) nº 20.941-DF. Impetrante: José Ignácio da Silveira e outros. Autoridade Coautora: Presidente da Câmara dos Deputados. Litisconsortes Passivos: José Sarney e outros. 27 de agosto de 1992. D. J. 31 de agosto de 1992.

BROSSARD, Paulo. O impeachment: aspectos da responsabilidade política do Presidente da República. 2. ed. ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, 1992.

BOLONHA, Carlos; RANGEL, Henrique; CORRÊA, Flávio. Hiperpresidencialismo na América Latina. Revista da Faculdade de Direito da UFPR, Curitiba, v. 60, n. 2, p.115-140, maio/ago. 2015.

FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. Instituições políticas e governabilidade: Desempenho do governo e apoio legislativo na democracia brasileira. In: MELO, Carlos Ranulfo; SÁEZ, Manuel Alcântara. (Org.). A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

GALINDO, Bruno. Impeachment à luz do constitucionalismo contemporâneo. Incluindo análises dos casos Collor e Dilma. Curitiba: Juruá, 2016.

GALLO, Carlos Alberto Provenciano. Crimes de responsabilidade do impeachment. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1992.

GALUPPO, Marcelo Campos. O impeachment: o que é, como se processa e por que se faz. Belo Horizonte: D’Plácido, 2016.

MARTÍNEZ, Christopher A. “Sobreviviendo” la presidencia argentina: 1983-2001. Estudios internacionales, [S. l.], n. 86, p. 91-118, 2017. Disponível em: https://revistaei.uchile.cl/index.php/REI/article/view/45219. Acesso em: 1 fev. 2019.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo III. Estrutura constitucional do Estado. 5. ed. Coimbra: Coimbra, 2004.

MÜLLER, Friedrich. Legitimidade como conflito concreto do direito positivo. Juslaboris, Brasília, v. 68, n. 3, jul./dez. 2002. Disponível em: https://juslaboris.tst.jus.br/handle/20.500.12178/70182. Acesso em: 9 dez. 2018.

NEVES, Marcelo. Parecer. Disponível em: https://cloudup.com/ig-cUkufb7N. Acesso em: 9 dez. 2018.

PEIXOTO NETO, Adwaldo Lins. Democracia e julgamento político: análise da governabilidade no presidencialismo brasileiro a partir dos impeachments dos presidentes Fernando Collor de Melo e Dilma Rousseff. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) - Centro Universitário FG, Guanambi, 2018.

ZIPPELIUS, Reinhold. Teoria geral do Estado. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

Publicado
2019-03-12
Como Citar
NETO, A. DA (I)LEGITIMIDADE DO PROCESSO DE IMPEACHMENT NO PRESIDENCIALISMO BRASILEIRO. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 5, n. 02, p. 248-268, 12 mar. 2019.
Seção
Artigos