A questão digital

o impacto da inteligência artificial no Direito

Palavras-chave: Direito Digital. Inteligência Artificial. Cyborg. Produção e Aplicação do Direito

Resumo

O presente artigo expõe uma abordagem diversa à hodierna forma de operação do direito brasileiro, sob as lentes da Inteligência Artificial. Para tanto, busca demonstrar por método indutivo que este viés é capaz de fornecer instrumental necessário para ampliação da produtividade e qualidade do sistema jurídico. Sob abordagem transdisciplinar, versa-se sobre as incapacidades e o despreparo do profissional do direito –incólume frente à revolução 4.0, marcada pela convergência e sinergia entre os diversos ramos da tecnologia. Por meio de revisão bibliográfica, o artigo evidencia que o uso da inteligência artificial possibilita a maximização da capacidade cognitiva, facilitando, também, o caminho decisório, de modo a evitar o trabalho manual e repetitivo, debatendo até que ponto é possível a utilização do mecanismo em auxílio às decisões humanas. Nesse ínterim, evidencia a urgência de se pensar novas estratégias de apontamento da visão digital, bem como de adaptar tanto o operador do direito quanto a própria sistemática, às novas tecnologias de inteligência artificial. A relevância da temática evidencia-se ante a repercussão transnacional das inovações tecnológicas, bem como ao impacto social desta tecnologia ao direito como um todo.

Biografia do Autor

Alexandre Morais da Rosa, Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Direito (UFPR), Juiz de Direito (TJSC) e Professor Universitário (UNIVALI e UFSC).

Referências

AGUILAR GARCÍA, Teresa. Ontología cyborg: El cuerpo em la nueva sociedad tecnológica. Barcelona: Gedisa, 2008.

AMORIM, Fernanda Pacheco. Nenhuma a Menos: A Inteligência Artificial como aliada no combate à violência contra a mulher. Florianópolis: EMais, 2019.

BENTHAM, Jeremy. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BIERMAN, H. Scott; FERNANDEZ, Luis. Teoria dos Jogos. Trad. Arkete Simille Marques. São Paulo: Person Prentice Hall, 2011.

BLADE Runner. Produção de The Ladd Company, Shaw Brothers e Blade Runner Partnership. Direção por Ridley Scott. Los Angeles: WARNER BROS.PICTURES, 1982.

CASTIGNONE, Silvana. La máquina del derecho. La escuela del realismo jurídico en Suecia. Trad. Pablo Andrés Moreno Cruz. Bogotá: Universidade Externado de Colombia, 2007.

CHRISTIAN, Brian. O humano mais humano: o que a inteligência artificial nos ensina sobre a vida. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Data Science Academy. O Que São Redes Neurais Artificiais Profundas ou Deep Learning? Deep Learning Book. Disponível em: http://deeplearningbook.com.br/o-que-sao-redes-neurais-artificiais-profundas. Acesso em: 15 mar. 2019.

DELEUZE, Gilles. Postada sobre las sociedades de control. In: FERRER, Christian. (Org.). El lenguaje libertario. La Plata: Terramar, 2005.

FORD, Martin. El auge de los robots. Trad. Andra Galvés de Aguinaga, Victor M. C. Espada. Buenos Aires: Paidós, 2016.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 2016.

FRYDMAN, BENÔIT. O fim do Estado de Direito: Governar por Standards e Indicadores. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2016.

GABRIEL, Martha. Você, eu e os robôs: pequeno manual do mundo digital. São Paulo: Atlas, 2018.

KELLY, Levin. Lo inevitable: entender las fuerzas tecnológicas que configurarán nuestro futuro. Trad. Juan Carlos Ruiz Franco. TEELL editorial, 2017.

KURZWEIL, Ray. A era das máquinas espirituais. Trad. Fábio Fernandes. São Paulo: Aleph, 2007.

KURZWEIL, Ray. Como criar uma mente. Trad. Marcello Borges. São Paulo: Aleph, 2014.

LACAN, Jacques. O seminário, Livro 17: O avesso da psicanálise (1969 - 1970). Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

LAFONTAINE, Céline. O império Cibernético: das máquinas de pensar ao pensamento máquina. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

LOPES JR, Aury. Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2018.

LÓPEZ DE MÁNTARAS BADIA, Ramon; MESEGUER GONZÁLEZ, Pedro. Inteligencia artificial. Madrid: CSIC/Catarata, 2017.

LORENZ, Edward N. A essência do caos. Trad. Carla Bentes David. Brasília: UNB, 1996.

MARTINS, Rui Cunha. O Método da Fronteira. Coimbra: Almedina, 2008.

MARTINS, Rui Cunha. O paradoxo da demarcação emancipatória. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 59, fev. 2001, p. 37-63.

MAUBOGRNE, Renée. KIM, W. Chan. A estratégia do Oceano Azul: Como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. São Paulo: Sextante, 2019.

MELO, Osvaldo Ferreira de. Fundamentos da Política Jurídica. Porto Alegre: Sérgio Fabris, 1994.

MINORITY Report. Produção de Gerald R. Molen, Bonnie Curtis, Walter F. Parkes e Jan de Bont. Direção por Steven Spielberg. Los Angeles: 20th CENTURY FOX, 2002.

MORAIS DA ROSA, Alexandre; AROSO LINHARES, José Manuel. Diálogos com a Law &Economics. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

MORAIS DA ROSA, Alexandre. Guia do Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Florianópolis: EMais, 2019.

MORAIS, Jose Luis Bolzan de. As crises do estado e da constituição e a transformação espaço-temporal dos direitos humanos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

NETO, Elias Jacob de Menezes; MORAIS, Jose Luis Bolzan. Análises computacionais preditivas como um novo biopoder: modificações do tempo na sociedade dos sensores. Revista Novos Estudos Jurídicos, v. 23, n. 3, set./dez. 2018. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/nej/issue/view/518. Acesso em: 15 mar. 2019.

NUNES, Marcelo Guedes. Jurimetria: como a estatística pode reinventar o direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

O EXTERMINADOR do Futuro. Produção de Hemdale Film Corporation, Pacific Western Productions e Cinema '84. Direção por James Cameron. Los Angeles: ORION PICTURES, 1984.

O’NELL, Cathy. Armas de destruccion matemática. Trad. Violeta Arranz de la Torre. Madrid: Capitán Swing, 2017.

PEBORGH, Ernesto Van. Homo Hacker. Buenos Aires: Paidós, 2017.

PICCOLI, Ademir Milton. Judiciário Exponencial. São Paulo: Vidaria, 2018.

ROSA, Alexandre Morais da. O uso do Nudge no convencimento judicial penal. Consultor Jurídico, 27 de julho de 2018. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-jul-27/limite-penal-uso-nugde-convencimento-judicial-penal. Acesso em: 12 mar. 2019.

ROSPA, Aline Martins. Decripitando as reformas do Poder Judiciário brasileiro motivadas pelo pluralismo transnacional: o império dos standards e indicadores. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

RUSCHEL, Aírton José. Processos Penais: Tempos e influências. Curitiba: Juruá, 2011.

SALDANHA, Jânia Maria Lopes; MELLO, Rafaela da Cruz; LIMBERGER, Têmis. Do governo por leis à governança por números: breve análise do Trade in Service Agreement (TISA). Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 13, n. 3, p. 337-354, 2016. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/view/4150. Acesso em: 18 mar. 2019.

SALDANHA, Jânia Maria Lopes; SILVA, Maria Beatriz Oliveira da; MELLO, Rafaela da Cruz. Novas geometrias jurídicas e a construção de um direito comum pluralista: uma análise da aplicação da margem nacional de apreciação pelo tribunal europeu dos direitos do homem. Revista Culturas Jurídicas, Niterói, v. 2, n. 3, 2015. Disponível em: http://www.culturasjuridicas.uff.br/index.php/rcj/article/view/91/41. Acesso em: 18 mar. 2019.

SANTOS FILHO, Edmundo Veras dos. Cases de inteligência artificial no Judiciário. ENASTIC JUSTIÇA 4.0. Brasília, DF: Dataprev. Disponível em: http://www.enasticjustica.com/. Acesso em: 22 fev. 2019.

SAS. Disponível em: https://www.sas.com/pt_br/home.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

SGARBOSSA, Luis Fernando. O conceito de derrotabilidade normative: noções fundamentais e análise crítica. In: SERBENA, Cesar Antonio. (Coord.). Teoria da Derrotabilidade: pressupostos teóricos e aplicações. Curitiba: Juruá, 2012.

STAFFEN, Márcio Ricardo; MORAIS DA ROSA, Alexandre. Dostoiévski e a polifonia do Direito: a síndrome do eterno marido na era das súmulas vinculantes. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, São Leopoldo, v. 3, p. 182-190, 2011.

TETAZ, Martin. Psychonomics: Como o funcionamento da mente ajuda a definir nosso comportamento consumidor. São Paulo: Planeta Estratégia, 2018.

THALER, Richard H. Todo lo que he aprendido com La psicologia económica. Trad. Iván Barbeitos. Barcelona: Deutos, 2018.

WALTON, Douglas N. Lógica Informal. Trad. Ana Lúcia R. Franco e Carlos A. L. Salum. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

WARAT, Luis Alberto. Introdução Geral ao Direito: a epistemologia jurídica da modernidade. Trad. José Luís Bolzan de Morais. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1995.

WOJCIECHOWSKI, Paola Bianchi; MORAIS DA ROSA, Alexandre. Vieses da Justiça: como as heurísticas e vieses operam nas decisões penais atuação contraintuitiva. Florianópolis: EMais, 2018.

ZIZEK, Slavoj. Menos que nada: Hegel e a sombra do materialismo dialético. Trad. Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013.

Publicado
2019-09-26
Como Citar
MORAIS DA ROSA, A. A questão digital. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 6, n. 02, p. e259, 26 set. 2019.
Seção
Artigos