Pesquisa-ação como metodologia e interseccionalidade(s) como método-praxis

rupturas dentro dos paradigmas da ciência moderna que criam espaços de construções dialógicas dentro do campo jurídico

Palavras-chave: Extensão. Pesquisa-ação. Metodologia. Interseccionalidade.

Resumo

O objetivo do texto é mostrar uma articulação entre a metodologia da pesquisa-ação, desenvolvida por Michel Thiollent, e do método da interseccionalidade(s), que foi cunhado por Kimberlé Crenshaw. Para isso, articula-se a problemática das ciências modernas como ciências neutras e como a pesquisa-ação supera os problemas deixados por aquelas possibilitando um salto qualitativo e melhor adequado às ciências sociais aplicadas. Em seguida, passa-se à conceituação e articulação dos conceitos chaves para, por fim, demonstrar a articulação entre pesquisa-ação e interseccionalidade(s) na prática por Universidades Federais. A metodologia utilizada no crítico-metodológica.

Biografia do Autor

Rainer Bomfim, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Mestrando em Direito pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Bacharel em Direito pela UFOP. Membro e Coordenador da linha de extensão do Grupo de Estudos “Omissão Legislativa e o papel do Supremo Tribunal de Justiça: estudo sobre a ADO. n. 26”.

Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes Bahia, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Doutor pela UFMG. Professor Adjunto na UFOP e IBMEC-BH. Bolsista de Produtividade do CNPq. Coordenador Docente do Núcleo de Direito Humanos.

Marina Souza Lima Rocha, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil.

Mestranda em Direito pela UFOP. Bolsista UFOP.  Membro do Grupo de Pesquisa “RESSABER – Estudos em Saberes Decoloniais”. 

Referências

ARAÚJO, Rynara Otoni; MÀXIMO PEREIRA, Flávia Souza. BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes; BOMFIM, Rainer, CAMILLOTO, Bruno. Universidade Pública e Direitos Humanos: experiência em extensão da UFOP. Belo horizonte: Conhecimento livraria e distribuidora. 2018

BHAMBRA, Gurminder K. As possibilidades quanto à sociologia global: uma perspectiva pós-colonial. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 29, n. 1,jan./abr. 2014.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922014000100008. Acesso em: 5 out. 2019.

BILGE, Sirma. Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, Paris,v.1, n. 225, p. 70-88, 2009. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-diogene-2009-1-page-70.html#. Acesso em: 5 out. 2019.

BOMFIM, Rainer. Apresentação. BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes; BOMFIM, Rainer, CAMILLOTO, Bruno. Universidade Pública e Direitos Humanos: experiência em extensão da UFOP. Belo horizonte: Conhecimento livraria e distribuidora. 2018.

BOMFIM, Rainer; COSTA, Tainá Goffredo; BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes Legal Teaching: paradigms and discipline for undergraduate law in UFOP. Revista de Direito Izabela Hendrix, Belo Horizonte, v. 20, n. 20, p. 1-12, jun. 2018. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-izabela/index.php/dih/article/view/1739/954. Acesso em: 5 out. 2019.

BRASIL. Lei n° 13.005, de 13 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Senado Federal, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 5 out. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 5 out. 2019.

BUENO,W; PEREIRA, L. A interseccionalidade como ferramenta para a justiça : analisando a experiência da Themis. Revista Themis Genero, Justiça e Direitos Humanos, v. 3, p. 52-64, 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALCAGNO, Luiz. Corte geral de 30% nos orçamentos das universidades federais. Correio Braziliense, 1 de maio de 2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/05/01/interna_politica,752508/corte-geral-de-30-nos-orcamentos-das-universidades-federais.shtml. Acesso em: 25 mar. 2020;

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. "Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da 'invenção do outro'". In: LANDER, Edgardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

CLÍNICA DE DIREITOS HUMANOS UFLA, 2018.

CRENSHAW, Kimberlè Williams . Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color. In: FINEMAN, Martha Albertson; MYKITIUK, Roxanne. (Org.). The public nature of private violence. Nova York: Routledge, p. 93-118.

CRENSHAW, Kimberlè Williams. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Salvador, v. 10, n.1, p.171-188, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-026X2002000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 5 out. 2019.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONZALEZ, Lélia. "Mulher negra". In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.). Guerreiras de natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 29-47.

GROSFOGUEL, Ramón. "Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global". Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

GROSFOGUEL, Ramón; COSTA, Joaze Bernardino. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/6077. Acesso em: 25 mar. 2020.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica. 4. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2015.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 86, mar. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002010000100005. Acesso em: 5 out. 2019.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 86, mar. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002010000100005. Acesso em: 25 mar. 2020.

MAGALHÃES, José Luiz Quadro de. O novo constitucionalismo latino-americano 2: rupturas – diversidade. Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, n. 28, p. 10-19, jan./abr. 2016. Disponível em: http://blog.newtonpaiva.br/direito/wp-content/uploads/2016/02/DIR-28-01.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922016000100075. Acesso em: 5 out. 2019.

MURADAS, Daniela; MÁXIMO PEREIRA, Flávia Souza. A decolonialidade do saber e direito do trabalho brasileiro: sujeições interseccionais contemporâneas. Revista Direito e Praxis, Rio de Janeiro, v.19, n.4, p. 2117-2142, 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/30370. Acesso em: 5 out. 2019.

LANDER, Edgard. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Eduardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

LISBÔA, Natália de Souza. APRENDENDO SOBRE DIREITOS HUMANOS: um relato de experiências na UFOP. In: BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes et al. Gênero, Sexualidade e Direito: dissidências e resistências. Belo Horizonte: Initia Via. 2019, p. 132- 143.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo. Reviravolta linguístico-pragmática na filosofia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

PUAR, Jasbir. “Prefiro ser um ciborgue a ser uma deusa”: interseccionalidade, agenciamento e política afetiva. Meritum, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 343-370, jul./dez. 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do saber e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Gráfica de Coimbra, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER,Eduardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SANTOS, Boaventura. Do pós-moderno ao pós-colonial: para além de um e outro. Travessias: Revista de Ciências Sociais Humanas em Língua Portuguesa, Coimbra, v. 6, n. 7, p. 15-36, 2008. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/43227/1/Do%20pos-moderno%20ao%20pos-colonial.pdf;Do. Acesso em: 5 out. 2019.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1994.

WELLE, Deutsche. Universidades afirmam que corte de 30% do MEC para despesas não obrigatórias pode comprometer ensino. G1, 3 de maio de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/05/03/universidades-afirmam-que-corte-de-30percent-do-mec-pode-comprometer-ensino.ghtml. Acesso em: 25 mar. 2020.

Publicado
2020-03-31
Como Citar
BOMFIM, R.; BAHIA, A. G.; ROCHA, M. Pesquisa-ação como metodologia e interseccionalidade(s) como método-praxis. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 6, n. 02, p. e269, 31 mar. 2020.
Seção
Artigos