A evolução do saneamento básico na história e o debate de sua privatização no Brasil

Palavras-chave: Saneamento básico; saúde; privatização

Resumo

O propósito deste artigo é analisar a importância do saneamento básico para o ser humano, bem como seu desenvolvimento ao longo dos séculos. Foi investigada a história da luta do homem por água potável e sua preocupação com o saneamento básico, desde as civilizações antigas, passando pela Idade Média e Contemporânea, dando ênfase no saneamento básico na história do Brasil. O estudo do saneamento básico no Brasil se inicia desde seu período de colônia, estudando todos os fatos que contribuíram para o desenvolvimento de leis e órgãos responsáveis pela saúde e saneamento básico em nosso país. O método utilizado é o dedutivo, por meio de investigação doutrinária e legal. No decorrer do artigo, após a análise histórica, busca-se conceituar o que é saneamento básico nos dias de hoje, bem como expor a atual legislação. A importância deste estudo se dá no fato de que ao estudar a história e ter ciências dos problemas que a falta de saneamento básico já gerou na humanidade, nos alerta para investigar como estão as políticas de saneamento básico nos nossos dias.

Biografia do Autor

Larissa dos Reis Nunes, Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), Engenheiro Coelho, SP, Brasil.

Mestra em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba. Especialista em Direito Civil e Processual Civil pela METROCAMP. Possui graduação em Direito pelo Grupo IBMEC (2015).

Rafhael Rodrigo Licheski Diaz, Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), Engenheiro Coelho, SP, Brasil.

Graduando em Direito pela UNASP.

Referências

AZEVEDO NETTO, José Martiniano. Cronologia dos serviços de esgotos, com especial menção ao Brasil. Revista do Departamento de Águas e Esgotos de São Paulo, São Paulo, ano 20, n. 33, p. 15-19, 1959. Acesso em: 18 maio 2018.

BARROCAS, Paulo Rubens Guimarães; SOUSA, Ana Cristina Augusto de. Privatizar ou não privatizar: eis a questão. A única questão? A reedição da agenda liberal para o saneamento básico no Brasil. Perspectivas (Caderno de saúde pública), Rio de Janeiro, v. 33, n. 8, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00048917. Acesso em: 20 jan. 2020.

BARROS, Rodrigo. A história do saneamento básico na Idade Antiga. Rodo inside, 3 de dezembro de 2014. Disponível em: http://www.rodoinside.com.br/historia-saneamento-basico-na-idade-antiga/. Acesso em: 24 maio 2018.

BARROS, Rodrigo. A história do saneamento básico na Idade Média. Rodo inside, 3 de dezembro de 2014. Disponível em: http://www.rodoinside.com.br/a-historia-do-saneamento-basico-na-idade-media/. Acesso em: 28 maio 2018.

BORJA, Patrícia Campos. Política pública de saneamento básico: uma análise da recente experiência brasileira. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 432-447, abr./jun. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000200007. Acesso em: 21 jan. 2020.

BRASIL. [Constituição (1934)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 3 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 34.596, de 16 de novembro de 1953. Aprova o Regulamento do Ministério da Saúde, criado pela Lei de n° 1.920, de 25 de julho de 1953, e dá outras providências. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 1953a. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-34596-16-novembro-1953-328248-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 3 jun. 2018.

BRASIL. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código de Águas. Brasília, DF: Presidência da República, 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643.htm. Acesso em: 3 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 1.920, de 25 de julho de 1953. Cria o Ministério da Saúde e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1953b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L1920.htm. Acesso em: 3 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico; cria o Comitê Interministerial de Saneamento Básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.666, de 21 de junho de 1993, e 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; e revoga a Lei nº 6.528, de 11 de maio de 1978. Brasília, DF: Presidência da República, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm. Acesso em: 3 jun. 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). Diagnóstico dos serviços de água e esgotos – 2016. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Regional, 2018a. Disponível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-anual-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2016. Acesso em: 24 maio 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 6006/DF. Requerente: Partido dos Trabalhadores. Requerido: Presidente da República. Relator: Min. Marco Aurélio, 10 de setembro de 2018b. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5539706. Acesso em: 21 jan. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 6128/DF. Requerente: Partido dos Trabalhadores. Requerido: Presidente da República. Relator: Min. Marco Aurélio, 4 de junho de 2019. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5689088. Acesso em: 21 jan. 2020.

CAVINATTO, Vilma Maria. Saneamento básico: fonte de saúde e bem-estar. 13. ed. São Paulo: Moderna, 1996.

CHADWICK, Edwin. The Sanitary Conditions of the Labouring Population of Great Britain. Londres: 1843. Disponível em: https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=inu.32000007955380;view=1up;seq=7. Acesso em: 30 maio 2018.

COSTA, Nilson do Rosário; SOUSA, Ana Cristina Augusto de. Incerteza e dissenso: os limites institucionais da política de saneamento brasileira. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 47, n. 3, p. 587-599, maio/jun. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122013000300003. Acesso em: 21 jan. 2020.

FUJIWARA, Thomas. A privatização beneficia os pobres? Os efeitos da desestatização do saneamento básico na mortalidade infantil. 33° Encontro Nacional De Economia. Natal: 2005. Disponível em: http://www.anpec.org.br/encontro2005/artigos/A05A160.pdf. Acesso em: 21 jan. 2020.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A ciência a caminho da roça: imagens das expedições científicas do Instituto Oswaldo Cruz ao interior do Brasil entre 1911 e 1913. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1992. Disponível em: http://books.scielo.org/id/5vx2d/pdf/intituto-9788575413074.pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

GOMES, Magno Federici; OLIVEIRA, Warley Ribeiro. A efetivação do compliance ambiental diante da motivação das certificações brasileiras. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 4, n. 1, p. 187-208, jan./jun. 2017. Disponível em: http://revistas.faculdadeguanambi.edu.br/index.php/Revistadedireito/article/view/143/64. Acesso em 23 ago. 2020.

GRECO, R. M.; PITERMAN, A. A água seus caminhos e descaminhos entre os povos. Revista APS, v. 8, n. 2, p. 151-164, jul./dez. 2005. Disponível em: http://www.ufjf.br/nates/files/2009/12/agua.pdf. Acesso em: 22 maio 2018.

HELLER, Léo et al. Saneamento como política: um olhar a partir dos desafios do SUS. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2018. Disponível em: https://cee.fiocruz.br/sites/default/files/2_Leo%20Heller%20et%20al_saneamento.pdf. Acesso em: 23 ago. 2020.

HERMANN, Carla. Buscar Vitruvius nos trópicos: percepções de viajantes ingleses da primeira metade do século XIX sobre o Aqueduto da Carioca. Concinnitas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 21, 2012. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/viewFile/12374/9608. Acesso em: 1 jun. 2018.

LIMA, N. T; HOCHMAN, G. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da primeira república. In: MAIO, M.C.; SANTOS, R.V. (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996. Disponível em: http://books.scielo.org/id/djnty/pdf/maio-9788575415177-03.pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

LIMA, Nísia Trindade. O Brasil e a organização Pan-Americana da saúde: uma história de três dimensões. In: FINKELMAN, Jacobo. (Org.). Caminhos da saúde pública no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/2705/1/Finkelman_Jacobo(Org.).pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

MELLO, Marina Figueira de. Privatização do setor de saneamento no Brasil: quatro experiências e muitas lições. Revista Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 9, n. 3, p. 495-517, jul./set. 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-80502005000300009. Acesso em: 21 jan. 2020.

MIRANZI, Mário Alfredo Silveira et al. Compreendendo a história da saúde pública de 1870-1990. Saúde Coletiva, São Paulo, v. 7, n. 41, p. 157-162, 2010. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/842/84213511007.pdf. Acesso em: 22 maio 2018.

MORAES, Pedro Rodolfo Bodê de. O Jeca e a Cozinheira: Raça e Racismo em Monteiro Lobato. Revista de Sociologia Jurídica, Curitiba, n. 8, 1997. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/39322/24141. Acesso em: 3 jun. 2018.

OMS. Temas de Salud. 2015. Disponível em: https://www.who.int/topics/sanitation/es/. Acesso em: 23 jul. 2020.

PORTO, M, Y. Uma Revolta Popular Contra a Vacinação. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 55, n. 1, p. 53-54, 2003. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v55n1/14861.pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

RENOVATO, R. D.; BAGNATO, M. H. S. O serviço especial de saúde pública e suas ações de educação sanitária nas escolas primárias (1942-1960). Educar em Revista, Curitiba, n. 2, p. 277-290, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/nspe2/17.pdf. Acesso em: 4 jun. 2018.

REZENDE, Sonaly Cristina; HELLER, Léo. O saneamento no Brasil: Políticas e interfaces. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

RIBEIRO, W, J.; ROOKE, S, M, J. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Análise Ambiental) - Faculdade de Engenharia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010. Disponível em: http://www.ufjf.br/analiseambiental/files/2009/11/TCC-SaneamentoeSa%C3%BAde.pdf. Acesso em: 30 maio 2018.

RODRIGUES, B. A.; ALVES, A. L. Evolução institucional da saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde, 1977. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_06.pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

ROSEN, George. Uma história da saúde pública: saúde e comunidades no mundo greco-romano. 2. ed. São Paulo: UNESP, 1994.

SAIANI, Carlos César Santejo. Competição política faz bem à saúde?: Evidências dos determinantes e dos efeitos da privatização dos serviços de saneamento básico no Brasil. Tese (Doutorado em Economia) – Escola de Economia, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2012. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/9723. Acesso em: 20 jan. 2020.

SÃO PAULO. Decreto nº 233, de 2 de março de 1894. Código Sanitário. São Paulo: Poder Executivo, 1894. Disponível em: http://dobuscadireta.imprensaoficial.com.br/default.aspx?DataPublicacao=18940308&Caderno=Diario%20Oficial&NumeroPagina=9605. Acesso em: 1 jun. 2018.

SAKER, João Paulo Pellegrini. Saneamento básico e desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/teste/arqs/cp061777.pdf. Acesso em: 23 maio 2018.

SILVA, Elmo Rodrigues da. Os cursos da água na história: simbologia, moralidade e a gestão de recursos hídricos. Tese (Doutorado) - Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro,1998. Disponível em: http://www.bvsde.paho.org/bvsarg/p/fulltext/brasil/brasil.pdf. Acesso em: 30 maio 2018.

SILVA, Antônio Pacheco. História do Saneamento Básico. Itu: Conselho de Regulação e Fiscalização, 2016. Disponível em: https://itu.sp.gov.br/wp-content/uploads/2016/ar_itu/conselho_regulacao_fiscalizacao/2016_11_09_6_reuniao_ord_consregfis_ar_itu.pdf. Acesso em: 24 maiO 2018.

SOUSA, Ana Cristina Augusto de. Copa do Mundo de 2018: gol das empresas privadas de saneamento no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 11, nov. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00144418. Acesso em: 21 jan. 2020.

SOUZA, Francisco Salviano de. O saneamento básico na história da humanidade. 2009. Disponível em: http://www.senado.leg.br/comissoes/ci/ap/AP20091130_FranciscodeAssisSalvianodeSousa.pdf. Acesso em: 25 maio 2018.

TUROLLA, Frederico A. Política de saneamento básico: avanços recentes e opções futuras de políticas públicas. Brasília: IPEA, 2002. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/2818. Acesso em: 21 jan. 2020.

Publicado
2020-12-17
Como Citar
NUNES, L.; DIAZ, R. A evolução do saneamento básico na história e o debate de sua privatização no Brasil. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 7, n. 02, p. e292, 17 dez. 2020.
Seção
Artigos