Literatura infantil e ideologia

da Escola sem Partido à pedagogia da ironia

Palavras-chave: Direito e literatura. Ideologia. Literatura infantil. Pedagogia irônica.

Resumo

No século XIX, a literatura infantil surge como um instrumento ideológico a serviço das classes dominantes, com a finalidade de formar indivíduos alinhados com as aspirações daquelas sociedades. Esse modelo é identificado pela construção de um conhecimento bivalente e empobrecido, por limitar-se a um pensamento polarizado que se opõe à revolução filosófica ocasionada pelo giro ontológico-linguístico. Na atualidade, ainda é possível identificar essas influências em bandeiras como, por exemplo, a da “escola sem partido”, o que conduz à discussão sobre a influência da literatura infantil no ensino universitário do direito e na formação do senso comum teórico dos juristas. A partir dessa problemática, por meio do método hipotético-dedutivo, o presente ensaio propõe uma pedagogia irônica, amparada na filosofia de Rorty, como uma poderosa e emancipatória ferramenta de ensino.

Biografia do Autor

Guilherme Gonçalves Alcântara, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Mestre em Fundamentos e Efetividade do Direito pelo programa de pós-graduação stricto sensu do Centro Universitário Uni-FG. Docente no Centro Universitário UniFG. Integrante do grupo de pesquisa 'Ser-Tão - Núcleo Baiano de Direito e Literatura' e do grupo de pesquisa em Ética, autonomia e fundamentos do Direito. Ex-Bolsista CAPES-PROSUP. Advogado.

Aline Mariane Ladeia Silva, Centro Universitário FG (UniFG), Guanambi, BA, Brasil.

Mestranda em Direito pelo Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu do Centro Universitário UniFG. Bolsista de pesquisa pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Cultura, Arte, Direito, Informação e Sociedade – CADIS e 'Ser-Tão - Núcleo Baiano de Direito e Literatura'. Pós-graduada em Direito Público. Advogada.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ALMEIDA, Felipe Quintão; VAZ, Alexandre Fernandez. Richard Rorty e a filosofia da educação: uma análise da recepção marxista. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 249-270, mar. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362013000100014. Acesso em: 25 jun. 2018.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Presença, 1980.

BACHELARD, Gaston. A epistemologia. Trad. Fátima Lourenço Godinho e Mário Carmino Oliveira. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2006.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BERTI, Enrico. As Razões de Aristóteles. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2010.

DOS SANTOS JÚNIOR, Moisés Gonçalves; DA SILVA, Marcela Verônica. Formando pequenos leitores: o direito e o poder da literatura na educação infantil. Revista Língua & Literatura, v. 17, n. 30, p. 159-174, 2015. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistalinguaeliteratura/article/view/1934. Acesso em: 20 jun. 2020.

ESPÍNDOLA, Angela Araújo da Silveira; SEEGER, Luana da Silva. O ensino jurídico no Brasil e o senso comum teórico dos juristas: um olhar a partir de Warat. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 5, n. 02, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.29293/rdfg.v5i02.239. Acesso em: 16 out. 2020.

GADAMER, Hans-Georg. Hermenêutica em retrospectiva. Trad. Marco Antônio Casanova. Petrópolis: Vozes. 2012.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: 34, 1999.

JAUSS, Hans Robert et al. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Ática, 1994.

KIRCHOF, Edgar Roberto Roberto; BONIN, Iara Tatiana. Literatura infantil e pedagogia: tendências e enfoques na produção acadêmica contemporânea. Pro-Posições, v. 27, n. 2, p. 21-46, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73072016000200021&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 jun. 2020.

MOTTA, Luiz Eduardo; SERRA, Carlos Henrique Aguiar. A ideologia em Althusser e Laclau: diálogos (im)pertinentes. Revista de Sociologia e Política, Curitiba , v. 22, n. 50, p. 125-147, jun. 2014 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782014000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 jun. 2018.

PAULINO, Graça. Letramento literário: cânones estéticos e cânones escolares. Caxambu: ANPED, 2010.

RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologia. Rio de Janeiro: F. Alves, 1990.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei; GRUBBA, Leilane Serratine. Bachelard e os obstáculos epistemológicos à pesquisa científica do direito. Sequência, Florianópolis, n. 64, p. 307-334, jul. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-70552012000100013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 jun. 2018.

RORTY, Richard. A Filosofia e o Espelho da Natureza. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994a.

RORTY, Richard. Consequências do Pragmatismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

RORTY, Richard. Contingency, irony, and solidarity. New York: Cambridge University Press, 1989.

RORTY, Richard. Pragmatismo e Política. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

RORTY, Richard. Relativismo: encontrar e fabricar. In: CÍCERO, Antonio; SALOMÃO, Waly (Org.). Relativismo enquanto Visão de Mundo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994b.

RORTY, Richard. Uma Visão Pragmatista da Filosofia Analítica Contemporânea. In: RORTY, Richard; GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. Ensaios Pragmatistas: entre subjetividade e verdade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006, p. 105-125.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011. v. 1.

SANTOS, Boaventura de Souza. Ciência e senso comum: Introdução a uma Ciência Pós‐Moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

STEIN, Ernildo. Introdução ao pensamento de Martin Heidegger. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

STRECK, Lenio Luiz. Sobre ponderações e katchangas: o senso comum venceu?. São Leopoldo: Edição do autor, 2017.

WARAT, Luis Alberto. Saber crítico e senso comum teórico dos juristas. Seqüência, Florianópolis, v. 3, n. 5, p. 48, 1982.

WARD, Ian. Law and literature: possibilities and perspectives. New York: Cambridge University Press, 1995.

ZILBERMAN, Regina; MAGALHÃES, Ligia Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo: Ática, 1982.

Publicado
2020-12-15
Como Citar
ALCÂNTARA, G.; SILVA, A. Literatura infantil e ideologia. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 7, n. 02, p. e305, 15 dez. 2020.
Seção
Artigos