A invisibilização das mulheres e o direito à cidade

Palavras-chave: Direito à Cidade; Invisibilidade; Mulheres.

Resumo

OBJETIVO: Verificar de que modo a abordagem de uma perspectiva feminista no planejamento urbano pode influenciar no gozo do direito à cidade por parte das mulheres.

MÉTODO: Para realização dessa pesquisa, utiliza-se a metodologia exploratória com revisão bibliográfica. 

RELEVÂNCIA/ORIGINALIDADE:  o direito à cidade deve buscar combater o sexismo, a opressão da sociedade patriarcal que, infelizmente, se manifesta nas ruas e na própria constituição da cidade. Não ter essa perspectiva é colaborar com a desigualdade do acesso do espaço urbano a homens e mulheres, eis que a cidade é em si masculina, construída por homens e para homens.

RESULTADOS: Nota-se que a construção de uma nova agenda urbana elaborada sob uma perspectiva de gênero é essencial para a modificação da situação de marginalização e opressão do sexo feminino no gozo do direito à cidade

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS/METODOLÓGICAS: Para a realização dessa pesquisa, emprega-se os conceitos de Invisibilidade Social apontados pelo Professor Boaventura de Sousa Santos em “A gramática do Tempo”, bem como o direito à cidade por Henri Lefebvre na obra “O direito à cidade além de trazer à tona a naturalização da dominação masculina com a tese de Pierre Bordieu na obra “A dominação masculina”.

Biografia do Autor

Amanda Moulin Macatrozzo, Faculdade de Direito de Vitória (FDV), Vitória, ES, Brasil.

Graduanda em Direito pela Faculdade de Direito de Vitória (FDV).

Gilsilene Passon Picoretti Francischetto, Faculdade de Direito de Vitória (FDV), Vitória, ES, Brasil.

Pós-doutora pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (2008), sob a orientação do Professor Doutor Boaventura de Sousa Santos. Atualmente é professora titular na graduação, pós-graduação, mestrado e Doutorado da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Professora orientadora do Grupo de Pesquisa “Invisibilidade social e energias emancipatórias em Direitos Humanos” da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Membro do grupo interinstitucional “Boaventura de Sousa Santos” (UFES/FDV). E-mail: gilsilenepasson@uol.com.br. Lattes: http://lattes.cnpq.br/6630490529695103. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-5515-5881.

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Mulher indígena. In: BERND, Zilá. (Org.). Dicionário de figuras e mitos literários nas Américas. Porto Alegre: UFRGS, p. 462-467, 2007.

BELLO, Enzo; BELEZA, Larissa. As mulheres no espaço urbano brasileiro: o direito à cidade como alternativa a um cenário de violações de direitos humanos. Revista de Direito da Cidade, 2019, v. 11, n. 2, p. 741-764.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luís Felipe. Feminismo e política. 2. ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980. v. 2.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOEL; Vanessa Rezende; AGUSTINI, Cármen Lúcia Hernandes. A Mulher no Discurso Jurídico: Um Passeio pela Legislação Brasileira. Horizonte Científico, Universidade Federal de Uberlândia/MG, vol. 2, n. 1, 2008.

BRASIL. Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1916. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1910-1919/lei-3071-1-janeiro-1916-397989-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 7 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm. Acesso em: 7 ago. 2021.

CASIMIRO, Lígia Maria Silva Melo de. As mulheres e o direito à cidade: um grande desafio no século XXI. In: Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU). Direito à cidade: uma visão por gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/9948. Acesso em: 5 ago. 2021.

CARVALHO, Claudio; RODRIGUES, Raoni. O direito à cidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A Cidade. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

COELHO, Leila Machado. BAPTISTA, Marisa. A História da Inserção Política da Mulher no Brasil: uma Trajetória do Espaço Privado ao Público. Psicologia Política, 2009. v. 9, n. 17, p. 85-99.

CAVALCANTI, Maria Joaquina da Silva. A luta pelo direito à cidade: o caso do bairro de passarinho e do espaço mulher na cidade do Recife. 51 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, 2018.

COSTA, Fernando Braga da. Homens invisíveis: relatos de uma humilhação social. São Paulo: Globo, 2008.

COSTA, Bárbara Amelize; ARCELO, Adalberto Antonio Batista. Autorreconhecimento e Reconhecimento Social de Gênero como Dispositivos de Subjetivação e Acesso Às Medidas Protetivas da Lei nº 11.340/2006. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, Vitória, v. 19, n. 2, p. 99-122, maio/ago. 2018.

CORDEIRO, Fernanda Azevedo. O direito à cidade sob a perspectiva de gênero. Boletim Petróleo, Royalties e Região, Campos dos Goytacazes/RJ, ano XVI, n. 60, ago./2018.

FERREIRA, Karen; SILVA, Gleyton Robson da. Urbanismo Feminista. XVII Enanpur. São Paulo, 2017.

FERNANDES, F. L. Os discursos sobre as favelas e os limites ao direito à cidade. Cidades, São Paulo, v. 2, n. 3, 37-62, jan./jun., 2005.

INSTITUO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2. ed. n. 38, 2021.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LEITE, Taylisi de Sousa; BORGES, Paulo César; CORDEIRO, Euller Xavier. Discriminação de gênero e direitos fundamentais: desdobramentos sócio-históricos e avanços legislativos. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, Vitória, v. 14, n.2, p. 122 – 144, jul./ dez. 2013. Disponível em: https://sisbib.emnuvens.com.br/direitosegarantias/article/view/233/184. Acesso em: 12. ago. 2021.

LERNER, Gerda. A criação do Patriarcado: História da opressão das mulheres pelos homens. Trad. Luiza Sellera. São Paulo: Cultrix, 2019.

LUCAS, Ana Paula Schneider Lucion de. A luta das mulheres e a conquista da igualdade jurídica no Brasil. Revista do Curso de Direito da Faculdade da Serra Gaúcha, Caxias do Sul, n. 2, p. 135 – 150, dez. 2007.

MARTINI, Thiara. A lei Maria da Penha e as medidas de proteção à mulher. 2009. 66 f. Monografia (Bacharelado em Direito) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2009. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/thiara%20martini.pdf. Acesso em: 4 ago. 2021.

MATEUS, Elizabeth do Nascimento. A Lei Maria da Penha e os direitos humanos da mulher no contexto internacional. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 79, ago. 2010. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8243. Acesso em: 8 ago. 2021.

METIDIERI, Philippe Francischetto; FRANCISCHETTO; Gilsilene Passon P. A produção da não-existência dos negros: caminhos para a desinvibisilização por meio das obras audiovisuais. In: FRANCISCHETTO, Gilsilene. (Org). Construção de ecologias de saberes e práticas: diálogos com Boaventura de Sousa Santos. Vitória: FDV, 2018.

OLIVEIRA, Magali Gláucia de. Usurpação estatal da autonomia da mulher e/ou efetivação do direito fundamental à igualdade de gêneros? Um estudo Bourdieusiano das modificações feitas à Lei Maria da Penha pela Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4424. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito de Vitória, Vitória, 2012.

OLIVEIRA, Tatyane Guimarães. Feministas ressignificando o direito: desafios para aprovação da Lei Maria da Penha. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 616-650, mar. 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-89662017000100616&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 4 ago. 2021.

PECCINI, Isabela Rapizo. Pensamento feminista no planejamento urbano: pensar o território pela perspectiva de gênero – prática e epistemologia. Pixo, v. 3, n. 10, p. 58-73, 2019.

PINHEIRO, Valéria. O peso da vida urbana sobre os ombros das mulheres e a dimensão dos despejos forçados. In: Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU). Direito à cidade: uma visão por gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

SADER, Ana Paula Cabral; NICOLETE, Jamilly Nicácio; GOMES, Márcio Fernando. AS mulheres e o direito à cidade: gênero e espaço público na cidade contemporânea. Educação em Revista, Marília, v. 20, p. 99-110, 2019.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, Brasil, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: Para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2008.

SERPA, A. Espaço público e acessibilidade: notas para uma abordagem geográfica. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n. 15, p. 21–37, 2004.

SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. 5. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

SIQUEIRA; Carolina Bastos de; BUSSINGER; Elda Coelho de Azevedo. As Ondas do Feminismo e seu Impacto no Mercado de Trabalho da Mulher. Revista Thesis Juris, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 145-166, jan./jun. 2020. Disponível em: http://repositorio.fdv.br:8080/bitstream/fdv/894/1/14977-73812-1-PB.pdf. Acesso em: 12 ago. 2021.

SOIHET, Rachel. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Revista Brasileira de Educação, n. 15, set./dez. 2000.

SOUSA, Luana Passos de; GUEDES, Dyeggo Rocha. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, São Paulo, v.30, n. 87, p.123-139, agosto 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000200123&lng=en&nrm=isso. Acesso em: 5 ago. 2021.

TEDESCHI, Losandro Antônio. O fazer histórico e a invisibilidade da mulher. OPSIS, v. 7, n. 9, jul./dez. 2007.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
MACATROZZO, A.; FRANCISCHETTO, G. P. P. A invisibilização das mulheres e o direito à cidade. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 8, n. 02, p. e357, 4 abr. 2022.
Seção
Artigos