Complexidade institucional e mutacional brasileira

o exemplo da presunção da inocência

  • Luigi Bonizzato

Resumo

A partir de análise qualitativa e de método basicamente dedutivo, este breve Artigo jurídico objetivou demonstrar que direitos fundamentais são essenciais para o país, assim como sua potencial aplicabilidade. Entretanto, paralelamente, quer-se defender a ideia de que só isto não bastará para que o país cresça e supere culturas e hábitos maléficos ao seu desenvolvimento enquanto nação, o que se encontra diretamente ligado à proteção das mais básicas liberdades e direitos correlatos. Uma reestruturação institucional, a partir de planejamento, estudo, aprofundamento, pesquisa e dedicação de todos, far-se-á necessária e indispensável. Sem se entender e, eventualmente, se necessário for, mudar instituições, de nada adiantará mudar Constituições e fingir que direitos fundamentais são juridicamente garantidos. O exemplo da presunção da inocência é apenas mais um, entre tantos que poderiam ter sido aqui escolhidos, para a demonstração pretendida.

 

Referências

BIN, Roberto, PITRUZZELLA. Diritto Costituzionale. 11. ed. Torino: G. Giappichelli Editore, 2010.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade – para uma teoria geral da política. 7. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Justiça Constitucional e Justiça Penal. Separata da Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, 58 v., ano 14, p. 329-344, jan./fev. 2006.

FERRAJOLI, Luigi. Principia iuris. Teoria Del diritto e della democrazia. V. I, II e III. Roma-Bari: Editori Laterza, 2007.

______. Derechos y Garantias: la ley del más débil. 03. ed. Tradução de Perfecto Andrés Ibáñez e Andrea Greppi. Madrid: Editorial Trotta, 2002.

GRIFFIN, Stephen. M. Compreendendo a mudança constitucional informal. In: REI – Revista Estudos Institucionais. Vol 1. N. 1., p. 1-37, 2015, disponível em SSRN: <http://estudosinstitucionais.com/index.php/REI/article/view/24>

KELSEN, Hans. Jurisdição Constitucional. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Teoria Pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LANCHESTER, Fulco. La Costituzione degli altri – dieci anni di trasformazioni in alcuni ordinamenti costituzionali stranieri. Milano: Giuffrè Editore, 2012.

LOMBARDI, Giorgio. Carl Schmitt y Hans Kelsen: La polémica Schmitt/Kelsen sobre la justicia constitucional: El defensor de la Constitución versus Quién debe ser el defensor de la Constitución?. Traducción de Manuel Sánchez Sarto y Roberto J. Brie. Madrid: Tecnos, 2009

POSNER, Eric A., VERMEULE, Adrian. Terror in the balance: security, liberty, and the Courts. New York: Oxford University Press, Inc., 2007.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Teoria do Partisan. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

______. O Guardião da Constituição. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

______. Teoria de la Constitución. Madrid: Alianza Editorial, 1982.

SUNSTEIN, Cass R. Why Groups Go To Extremes. Washington, DC: American Enterprise Institute, 2008.

SUNSTEIN, Cass R., VERMEULE, Adrian. Interpretation and Institutions (July 2002). U Chicago Law & Economics, Olin Working Paper No. 156; U Chicago Public Law Research Paper No. 28. Disponível em SSRN: http://ssrn.com/abstract=320245 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.320245.

TUSHNET, Mark. Why the Constitution matters. New Haven: Yale University Press, 2010.

______. Taking the Constitution away from the Courts. 03. ed. Princeton: Princeton University Press, 2000.

VERMEULE, Adrian. The system of the Constitution. New York: Oxford University Press, Inc., 2011.

______. The Atrophy of Constitutional Powers. (January 6, 2011). Harvard Public Law Working Paper No. 11-07. Disponível em SSRN: http://ssrn.com/abstract=1736124 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1736124);

______. Law and limits of reason. New York: Oxford University Press, Inc., 2009.

______. Mechanisms of democracy – Institutional Design Writ Small. New York: Oxford University Press, Inc., 2007.

______. Judging under uncertainty: an institutional theory of legal interpretation. Massachusetts: Harvard University Press, 2006.

Publicado
2016-08-12
Como Citar
BONIZZATO, L. Complexidade institucional e mutacional brasileira. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 2, n. 01, p. 119-131, 12 ago. 2016.
Seção
Artigos